Notícias

O apoio internacional inabalável é crucial para manter a frágil estabilidade alcançada na Guiné-Bissau, disseram hoje ao Conselho de Segurança altos funcionários da ONU, alertando para a escalada das tensões políticas e um iminente “precipício financeiro” após a partida da longa operação de paz das Nações Unidas em 31 de dezembro.

O grupo de cinco (5) parceiros internacionais da Guiné-Bissau, conhecido como "Grupo P5", nomeadamente a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), a União Africana (AU), a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), a União Europeia (UE) e as Nações Unidas (ONU), souberam com espanto e muita preocupação que, no domingo dia 26 de Julho de 2020, foram perpetrados actos de vandalismo nas instalações da Rádio Capital FM em Bissau, por homens armados fardados.

Na Guiné-Bissau os diálogos sobre a ONU, uma iniciativa lançada pelo Secretário-geral em janeiro deste ano no âmbito do 75º aniversário da Organização, começam no dia 2 de julho às 10 horas, através da internet e a partir do auditório da Universidade Lusófona.

Um memorial improvisado para George Floyd, que foi morto após ser detido pela polícia, montado em Harlem, Nova York.

Um grupo de mais de vinte líderes seniores da ONU, que se reportam diretamente ao secretário-geral António Guterres e são africanos ou de ascendência africana, deram os seus nomes a uma declaração pessoal e contundente publicada na sexta-feira passada, expressando a sua indignação ao racismo generalizado e sistêmico, destacando a necessidade de se 'ir além e fazer mais' do que apenas condenar.

No dia 10 de junho, a Representante Especial do Secretário-Geral na Guiné-Bissau, Rosine Sori-Coulibaly, reuniu-se on-line com um grupo de 22 organizações da sociedade civil (OSCs) representantes das mais importantes redes da sociedade civil, incluindo mulheres e jovens.

Centenas de pessoas reúnem-se todos os dias no mercado movimentado de Bissau, tornando praticamente impossível o distanciamento social, uma importante medida de prevenção contra a COVID-19. Para resolver esse problema, as autoridades decidiram estabelecer um novo espaço na "Área Verde", Bairra da Ajuda na capital.

Para assinalar o Dia da Liberdade de Imprensa, o Sindicato de Jornalistas e Técnicos da Comunicação social da Guiné-Bissau (SINJOTECS) lembrou que os jornalistas estão na linha da frente do combate à pandemia e pediu ao Estado que considere a criação de um mecanismo de apoio ao sector dos media a ser inscrito no orçamento de Estado.

Páginas